25.11.14

Os principais desequilibradores da Liga 14/15

ver comentários...

Partilho a lista dos principais desequilibradores da liga portuguesa até à 14/15, de acordo com o tipo de análise que venho mantendo. De forma breve, deixo alguns destaques (com foco assumidamente centrado nos "grandes"), fazendo notar que o tempo de utilização é ainda curto para que se possam tirar grandes conclusões. Primeiro, obviamente, para Deyverson que está a fazer um inicio de temporada assombroso, aparecendo no topo deste ranking, o que é fantástico para um jogador que actua numa equipa com o volume ofensivo do Belenenses. No Porto, e apesar da modéstia da prestação ofensiva da equipa, Jackson volta a surgir como uma figura incontornável de destaque, o que volta a sustentar a qualidade do colombiano. O outro nome portista nesta lista é Brahimi, de quem provavelmente se esperaria maior destaque dentro desta lista. A verdade, porém, é que o argelino tem conseguido ser bem mais contundente na Champions do que na Liga, sendo ainda assim provável que o tempo venha a atenuar essas diferenças. No Benfica, Gaitan mantém-se como o jogador com mais presença criativa nas ocasiões de golo da Liga, tal como foi na época transacta. Mas no Benfica, há outros nomes a sublinhar, como o de Talisca, que vem marcando a diferença mais pela eficácia do que pela frequência com que desequilibra (já tenho escrito bastante sobre isto), Lima,  que é um caso inverso ao de Talisca, e Salvio, que vem mantendo uma regularidade desequilibradora significativamente acima daquilo que Markovic havia feito na sua ausência no ano anterior. No Sporting, Nani surge sem surpresa entre os destaques, mas também Carrillo surge num nível de rendimento muito elevado a este nível, o que poderá ser mais surpreendente. No que respeita aos avançados, Slimani e Montero dividiram o tempo de utilização e por isso se percebe que nenhum dos dois possa estar mais próximo do topo desta lista. Ambos mantiveram uma boa presença nas principais situações de golo da equipa, mas o caso do argelino é claramente aquele que merece maior destaque, já que apesar do pouco tempo de utilização foi o segundo jogador com mais presença em situações de finalização em toda a competição. Uma constatação que, como já tenho escrito, me parece definir claramente a mais valia que o argelino pode representar para Marco Silva.

ler tudo >>

20.11.14

As probabilidades do campeonato

ver comentários...
É o que os adeptos querem saber e anseiam por descobrir ao longo da época, se o seu clube se vai sagrar campeão! Naturalmente, ninguém tem uma bola de cristal que possa matar essa ansiedade, e neste sentido não haverá alternativa a esperar para ver o que vai acontecer, mas talvez seja possível ter uma ideia razoável das probabilidades de cada equipa. E é precisamente esse exercício que venho propor e partilhar.

Metodologia
A ideia é estabelecer um valor arbitrário para cada equipa e, a partir daí, obter as probabilidades de vitória, empate e derrota em cada um dos jogos que faltam, somando aos pontos daí resultantes aqueles que já foram conquistados. Se simularmos isto uma única vez, claro, vamos obter um resultado fortemente influenciado pela aleatoriedade, e que por isso nos vai dizer pouco. Mas, se a simulação for repetida um número considerável de vezes, então poderemos isolar com bastante segurança o ruído que vem do factor aleatório e ficar com expectativas resultantes apenas do desempenho esperado das equipas (o método "montecarlo", para quem estiver familiarizado). Assim, a tabela que apresento representa o resultado de 500 simulações do campeonato.

Importa, claro, perceber também o ranking pré definido para as equipas. Tentando ir de encontro àquela que será, parece-me, a visão mais comum, considerei Benfica e Porto com igual valia, o Sporting entre estes dois e o Braga, seguindo-se as restantes equipas.

O peso da aleatoriedade, mesmo numa prova de longo prazo
Para além das probabilidades e expectativas obtidas, parece-me haver algumas reflexões interessantes que decorrem deste exercício. Em particular, o desprezo que existe pela possibilidade do factor aleatório determinar posicionamentos inesperados. Explicando melhor, todas as simulações são feitas sob os mesmos pressupostos, que se mantêm sempre constantes, mas isso não impede que tenhamos pontuações e classificações finais bastante variáveis e algumas que consideramos surpreendentes. Por exemplo, Benfica e Porto têm respectivamente 4% e 12% de ficar fora dos 2 primeiros lugares, mesmo mantendo-se como as duas melhores equipas ao longo de todo o campeonato, assim como o Sporting terá 22% de hipóteses de ficar fora dos 3 primeiros lugares, mesmo num exercício que o considera constantemente e de forma bastante clara como a terceira melhor equipa. Ou seja, mesmo numa prova de longa duração como é um campeonato o factor aleatório por si só tem a capacidade de nos proporcionar resultados pouco consentâneos com o valor das equipas. Ora, em abstracto isto até pode parecer racional e pouco surpreendente, mas na realidade emotiva do futebol nunca vemos alguém explicar classificações invulgares dando grande relevância ao factor aleatório. A cultura passa por, diria quase sem excepções, extrair conclusões sobre o mérito e o demérito dos protagonistas, atribuindo aos resultados e classificações uma significância de carácter insofismável. E aqui, devo ainda ressalvar que existe um positivismo exacerbado nesta análise, porque raramente o valor das equipas se mantém constante ao longo de um campeonato como aqui é suposto, e sobretudo porque há a tal irresistível tentação de reagir aos resultados, alterando muitas vezes coisas sem critério e justificação (treinadores, jogadores, etc). Ou seja, o efeito real da aleatoriedade pode ser ainda mais perverso do que aquele que é aqui apresentado, nomeadamente por precipitar actos de gestão que não raramente acabam por ser prejudiciais. A conclusão de tudo isto, e na minha análise, não é que não se deve ter métricas objectivas para o trabalho que é realizado nas equipas (usar métricas arbitrarias como às vezes vejo sugerido será provavelmente ainda mais perigoso), mas antes que será fundamental encontrar indicadores igualmente objectivos mas não tão dependentes da componente aleatória, não ficando assim apenas centrado nos resultados.

ler tudo >>

17.11.14

Notas do Portugal - Arménia

ver comentários...
- Penso que é perfeitamente possível fazer um paralelismo entre esta exibição e a que terminou com a derrota frente à Albânia. O volume de jogo conseguido pela Selecção foi semelhante, assim como as ocasiões claras criadas. Na verdade, parece-me até que a Arménia foi mais perigosa do que a Albânia, sendo que a diferença esteve, e de forma clara, na eficácia. Uma evidência (à luz desta análise, evidentemente...) de como no futebol os aplausos e os lenços brancos estão frequentemente muito mais dependentes de factores incontroláveis do que aquilo que à posteriori nos parece.

- Fernando Santos optou por alterar a sua estrutura, e tenho algumas dúvidas sobre a utilidade dessa opção. Em parte porque pareceu pouco natural o ajuste dado aos jogadores da frente, mas sobretudo porque se perdeu a oportunidade de desenvolver a ideia que o treinador em princípio utilizará nos jogos mais importantes e que, no fundo, deverão acabar por definir o sucesso ou insucesso na campanha para o Euro 2016. Era possível manter a estrutura, dando-lhe uma dinâmica diferente, sobretudo com uma missão menos posicional nos 3 médios, relativamente ao que acontecera frente à França e Dinamarca. Em termos de ajuste específico às características dos jogadores, parece-me que Portugal teria a ganhar em continuar a oferecer liberdade a jogadores como Danny e Nani.

- No que respeita à exibição da equipa portuguesa, destacaria de forma breve dois pontos menos positivos. Em termos ofensivos, pareceu-me haver alguma dificuldade na criação de dinâmicas de penetração no último terço, em especial no inicio da segunda parte onde me pareceu ter sido dado maior enfoque ao corredor central, mas sem que a equipa tivesse revelado a dinâmica suficiente para fazer essa ligação com qualidade e de forma mais apoiada, acabando por verticalizar muito e de forma previsível, perante uma linha defensiva muito baixa e por isso pouco vulnerável na exploração da profundidade. O outro ponto menos positivo diz respeito ao momento de transição defensiva, sendo verdade que a Arménia não se soltou ofensivamente com grande frequência ao longo do jogo, mas sendo também evidente a constante necessidade dos jogadores portugueses em recorrer à falta para evitar males maiores, o que resultou num invulgar número de faltas e cartões amarelos para os jogadores mais defensivos. Um aspecto a rever e corrigir, já que perante formações mais fortes, o preço a pagar será previsivelmente maior.

- Interessante o caso de Postiga, que não é único mas é muito comum. Ou seja, frequentemente discute-se o que os avançados podem trazer à equipa, mas quase sempre as conclusões reflectem mais a ideia pré concebida que é tida sobre cada um dos jogadores, do que propriamente aquilo que, na prática, realmente se observa no terreno de jogo. Postiga é um exemplo (há outros, como escrevi) disto porque constantemente se diz que traz maior capacidade de envolvimento e de ligação com os jogadores de linhas anteriores, mas a verdade é que invariavelmente a sua participação no jogo é extremamente reduzida e não especialmente eficaz. Frente à Arménia, Postiga completou 7 passes em 55 minutos, um registo quase desprezível numa partida com este volume de jogo e, comparativamente com outras opções, 3 vezes inferior ao de Eder nos 35 minutos que jogou, e igualmente muito menos participativo do que foram qualquer dos atacantes portugueses no jogo da Dinamarca, onde o volume de jogo colectivo foi muito inferior. Isto não quer dizer que Postiga não possa trazer mais valias à Selecção, sendo um jogador obviamente evoluído do ponto de vista técnico (o equívoco, creio, resulta daqui) e na minha opinião aquele que mais qualidade de finalização garante, relativamente a Eder e Hugo Almeida (embora, me pareça que Portugal deve contemplar a hipótese de actuar sem um referência mais fixa). O que não penso é que a sua inclusão deva ser considerada com base em expectativas equivocadas. 

- Ainda no capítulo individual, nota para a exibição de Moutinho. Assumiu, com Tiago, uma função mais posicional, mas destacou-se claramente nesse papel. Também ao nível do passe, onde esteve perto da centena de ligações bem sucedidas, mas sobretudo pela espectacular exibição defensiva, no momento de transição ataque-defesa. Foi protagonista de 23 acções defensivas neste momento táctico,  mais do dobro do segundo jogador com mais interventivo da equipa em transição defensiva.

ler tudo >>

11.11.14

Notas do fim de semana

ver comentários...
Nacional - Benfica
Se o triunfo, pela sua importância, arrancará certamente sorrisos entre a generalidade dos adeptos encarnados, já a exibição não parece agregar o mesmo entusiasmo, a começar pelo próprio treinador. A minha opinião, relativamente à performance da equipa, é de que a recta final do jogo foi de facto pouco conseguida, havendo alguns aspectos a rever, mas de todo não concordo com a ideia de que os 3 pontos tenham sido a única coisa boa que o Benfica tem para extrair desta visita à Choupana.
Começando pelos aspectos positivos, destacaria essencialmente a primeira parte. Aí, o Benfica conseguiu sempre um bom controlo do jogo e do adversário e teve, junto da baliza contrária, uma proximidade significativa com o golo. É verdade que nunca conseguiu impor uma grande fluidez na sua posse, mas num jogo de bastantes bolas divididas, o Benfica conseguiu sempre desdobrar-se bem em ataques rápidos a partir desse tipo de situações, não concedendo por outro lado que o Nacional fizesse o mesmo. A outra nota positiva do jogo vai para Jonas, que definitivamente se parece confirmar como uma grande mais valia para o Benfica 14/15: baixa para oferecer linhas de passe no corredor central, entra nas costas dos extremos aproveitando o arrastamento do lateral (neste particular, combinou especialmente bem com Salvio), e aparece depois com propósito na zona de finalização. Muito bom!
Do outro lado da moeda, está a segunda parte, em especial os últimos 15-20 minutos do jogo. Primeiro, o Benfica perdeu profundidade ofensiva mas foi mantendo o controlo do adversário. Depois, na tal fase final de maior risco por parte do Nacional, perdeu também boa parte do controlo defensivo que até aí havia tido, não recuperando quer a capacidade para controlar o jogo com bola (que nunca teve), nem tão pouco a profundidade ofensiva (mesmo numa fase de maior risco e exposição por parte do Nacional, o que se estranha). Haverá várias explicações e motivos que contribuirão para este mau bocado que o Benfica passou, mas não posso deixar de destacar o pouco impacto que teve a introdução de Samaris, cuja entrada em campo tinha como objectivo acrescentar precisamente segurança numa fase que se previa de maior risco por parte do adversário. Acontece que Samaris, de facto, não parece muito vocacionado para a posição 6. Com bola, tem qualidade técnica, mas não tem o critério adequado para a posição que ocupa, como se viu na forma como geriu algumas intervenções no jogo, e que serviram de mote para a reacção final do Nacional. Sem bola, não parece ter agressividade nem capacidade de intervenção para que possa dominar uma zona tão fulcral como a que lhe é confiada. Confesso que estranho a aposta num jogador com estas características, tendo em conta o acerto que Jesus havia revelado nas suas escolhas anteriores para esta posição, mas o que é certo é que o Benfica se encontra realmente com um problema por resolver e que provavelmente assim continuará até à recuperação de Fejsa.

Sporting - Paços
A análise ao jogo foi dividida, por quase todos, em duas partes. Os primeiros e os segundos 45 minutos (na verdade, a partição de Marco Silva apontou para 30-60). Eu talvez preferisse 3 divisões, para melhor explicar o jogo...
1- Os primeiros 30 minutos - Notável entrada no jogo do Paços, contando com o contributo do Sporting que foi, na melhor das hipóteses, negligente. Paulo Fonseca voltou a definir uma equipa com as mesmas características, ou seja oferecendo grande incidência ao jogo interior e ao corredor central. A equipa tenta sair a jogar a partir de trás, e fê-lo mesmo perante o pressing do Sporting, sendo que para isso envolve os dois médios na primeira fase de construção, criando mais apoios nessa zona e atraindo o pressing contrário. O papel do duplo pivot é depois também muito importante para a reacção à perda, que me pareceu bastante boa por parte do Paços. Mais à frente, os alas têm uma grande vocação interior, sendo a largura normalmente garantida pelos laterais. Perante isto, o Sporting subiu as suas linhas para pressionar, como quase sempre faz, mas acabou sistematicamente exposto nas costas da sua linha média, numa sucessão de jogadas que expuseram a linha defensiva e que só por alguma falta de inspiração dos jogadores do Paços não terminaram num número significativo de ocasiões de golo. Aqui, e do ponto de vista do Sporting, destacaria a baixa intensidade revelada por alguns jogadores, pouco concentrados com bola, e pouco reactivos defensivamente. Em particular, na minha opinião, Carrillo e William, de resto os dois que Marco Silva deixou nos balneários. O caso de William, de resto, começa a ser flagrante, dada a pouca vocação que o jogador tem para defender numa área tão extensa do terreno. Com os dois médios a subir em simultâneo para pressionar, é importante que exista uma boa capacidade de recuperação destes jogadores, assim que a bola entre nas suas costas, como tantas vezes aconteceu neste jogo. Só que William não tem essa capacidade, e neste como noutros jogos, sempre que a bola entrou nas suas costas, só muito dificilmente o médio do Sporting voltou a intervir defensivamente na jogada. Tendo a ver o caso de William da mesma forma que vejo o dos defensores (à excepção de Sarr, como já escrevi). Ou seja, o problema das suas dificuldades relativamente ao ano anterior não me parecem tanto resultar de uma alteração súbita do rendimento individual, mas antes de uma alteração do contexto colectivo, que hoje é muito menos ajustado às suas características individuais. Uma nota final, relativamente a este período, para Paulo Fonseca. O ex-treinador do Porto foi mediaticamente devastado na época passada, mas a verdade é que esta segunda vida em Paços está a evidenciar que a sua rápida ascensão até ao topo do futebol português não terá sido um acidente. Equipas da dimensão do Paços, a jogar como o Paços? Não haverá muitas...
2- do golo do Paços, até à expulsão - Não é uma ideia que pareça muito racional, mas é um facto que o jogo é dominado por reacções emocionais dos jogadores às circunstâncias do jogo. Por isso, por exemplo, temos significativamente mais golos nos minutos finais das partidas. No caso deste jogo, o Sporting - e tal como referiu Marco Silva - reagiu de facto ao golo sofrido, e não o fez apenas na segunda parte. A equipa tornou-se essencialmente mais agressiva e intensa, e isso fez com que tivesse assumido definitivamente as rédeas de um jogo que até aí havia sido claramente dominado pelo seu adversário. Mas há duas coisas a dizer sobre este período, e que o distanciam dos minutos finais. Primeiro, que apesar da maior iniciativa e de algumas boas chegadas ao último terço, o Sporting criou muito poucos lances de perigo efectivo até à expulsão, sendo de alguma forma feliz pela improvável eficácia do remate exterior de Montero. Segundo, que neste período o Paços foi obrigado a uma maior presença defensiva, mas não deixou de expor defensivamente o Sporting, em especial o seu espaço entrelinhas, continuando por isso ameaçador.
3- depois da expulsão - Se até aqui o Sporting havia tido, no máximo, um ascendente sem grandes consequências objectivas ao nível da proximidade real com o golo, após a expulsão a equipa aproximou-se finalmente daquele que era o seu objectivo inicial, a vitória. E é este período, que, afinal, permite alguma divisão de perspectivas. Por um lado, poder-se-á dizer que, pelas ocasiões que perdeu neste período, o Sporting foi infeliz em não ter ficado com os 3 pontos. Por outro, argumentar-se-á que ao demorar tanto tempo para impor a superioridade o Sporting potenciou o seu próprio risco de insucesso no jogo. As duas ideias parecem-me válidas, assim como me continua a parecer evidente que para ter a consistência de resultados que pretende, o Sporting precisará também de ter uma consistência organizacional que no campo continua a não ter.

Estoril - Porto
O Porto regressou ao campeonato, e regressou também ao padrão que havia marcado o seu arranque de temporada. Ou seja, muito domínio territorial, tanto por vontade própria como por cedência estratégica do seu adversário, mas paradoxalmente e apesar de todo o talento que a equipa tinha em campo, também sem um número correspondente de ocasiões claras de golo. Aliás, é surpreendente como no final de uma partida como esta, o Estoril acaba por ter um número equivalente de jogadas de grande potencial ofensivo, mesmo com tanta submissão territorial. Mas, como referi, este não é um cenário novo na época portista, assim como não são as dificuldades de utilização do corredor central ou a dependência da circulação lateral e das iniciativas individuais dos extremos no último terço ofensivo do Porto.
A critica do pós-jogo vai para a inclusão de Adrian ao lado de Jackson, numa opção que já estava conotada com o insucesso, na sequência do jogo da Taça. Pessoalmente, não faço esse tipo de associações, que estou seguro tão apelativas como falaciosas, nem tão pouco compro a critica da "rotatividade" tal como a tenho visto apresentada, mas também penso que as coisas precisam de uma lógica, e neste caso confesso que não consigo desvendar nesta opção de Lopetegui. Ou seja, se a equipa havia denotado melhorias com opções que lhe trouxessem outra capacidade no jogo interior, particularmente perante equipas previsivelmente mais fechadas, então fazia sentido que Lopetegui voltasse a insistir nessa opção. E mesmo não podendo ter Quintero de inicio, o treinador tinha Oliver como solução para esta linha de raciocínio. Se a rotatividade de Lopetegui for uma gestão de recursos em função do desgaste e da estratégia competitiva, então há uma lógica que me parece fazer sentido e não vejo problema com ela, ou evidência concreta de que seja uma opção menos virtuosa do que a sistematização de um onze. Mas há também a hipótese de Lopetegui estar a utilizar a rotatividade fundamentalmente para distribuir minutos pelos diversos jogadores, e sem privilégio da componente estratégica. Se frente ao Sporting, e por muito que essa estratégia não tenha resultado, se percebeu a intensão de colocar Adrian ao lado de Jackson, desta vez ficou apenas a sensação de que se tratou de mera rotatividade, pela rotatividade...
Uma nota para o jogo do Estoril, que adoptou uma estratégia defensiva essencialmente assente na densidade numérica, com especial nota para a introdução de Esiti, como uma espécie de "joker" defensivo, entre as linhas defensiva e média, com o objectivo de garantir mais presença numérica na zona da bola, sempre e apenas quando esta entrava no último terço. Não foi uma opção brilhante, a de Couceiro, mas é indiscutível que produziu os resultados pretendidos, porque nem o Porto teve muitas ocasiões claras para marcar, nem o Estoril deixou de ter as suas. Mas há outro pormenor a focar aqui e que tem a ver com as exibições individuais dos defensores do Estoril. É que defendendo desta forma, muito baixo e com muita gente, cada jogador fica com uma área muito pouco extensa para controlar, o que facilita de sobremaneira a tarefa individual de cada jogador no seu espaço. Não estou com isto a querer menorizar as exibições individuais dos jogadores do Estoril, mas como tenho defendido parece-me fundamental considerar o contexto nas apreciações individuais...

ler tudo >>

6.11.14

Notas da Champions #4

ver comentários...
Benfica - Mónaco
Uma jornada muito importante para o Benfica, abrindo repentinamente as hipóteses de apuramento, quando estas pareciam já muito complicadas. A vitória foi, obviamente, a componente mais importante para esta inversão de cenário, mas também o resultado de São Petersburgo veio ajudar muito as aspirações encarnadas para as duas jornadas finais. Isto, porque existe agora uma forte hipótese do Leverkusen visitar a Luz com o primeiro lugar garantido, na última jornada, o que poderá vir a ser um factor decisivo para um apuramento que se disputará em apenas 2 jogos, qualquer deles muito complicado para as equipas envolvidas. Logo veremos se este cenário se confirma...

Relativamente ao jogo, diria que foi uma vitória feliz do Benfica, uma vez que me parece que no essencial as equipas se equivaleram nos 90 minutos. Aliás, na minha opinião foi inclusivamente no período em que o Mónaco mais se conseguiu impor - segunda parte - que o Benfica conseguiu resgatar os ambicionados 3 pontos. Isto, depois de uma primeira parte onde a equipa de Jardim conseguiu neutralizar relativamente bem o ascendente do Benfica, mas onde fora também muito curta em termos ofensivos. Na segunda parte, porém, as dificuldades do Benfica foram maiores, em parte por mérito do próprio Mónaco que encontrou melhor enquadramento para as suas iniciativas atacantes, nomeadamente explorando a vantagem no duelo entre Ferreira Carrasco com André Almeida, mas também por alguma ansiedade do próprio Benfica que, pela urgência de conseguir um golo, passou a verticalizar muito mais, partindo o jogo e perdendo também alguma presença e qualidade em posse. Se o Benfica levou a melhor neste período, foi sobretudo por um capricho de eficácia. Bem mais positiva, do meu ponto de vista, foi a gestão que a equipa fez do jogo após o golo, não oferecendo qualquer margem de reacção ao Mónaco.

No capítulo individual, uma nota sobre Talisca, sobre quem havia escrito que dificilmente poderia continuar a marcar com a mesma assiduidade por muito tempo. O brasileiro parece determinado em contrariar a minha projecção, e tenho de reconhecer que é de facto um notável executante, que vem crescendo notoriamente em confiança. O problema poderá não ser tão simples como havia formulado, mas mantenho no essencial a minha perspectiva. Ou seja, continua a não me parecer muito provável que Talisca possa perpetuar a veia goleadora (ao ponto de discutir o título de melhor marcador do campeonato, por exemplo, uma vez que não desfruta de um número suficientemente elevado de ocasiões), e continua-me também a parecer um jogador muito mais forte em termos técnicos do que em termos de movimentações sem bola, ficando notoriamente mais confortável nas acções de ataque rápido ou contra ataque, onde o espaço é maior.

Sporting - Schalke 
Tal como para o Benfica, esta foi uma jornada muito importante, tanto por mérito próprio como pelo resultado do outro jogo do grupo, que garante que o Chelsea não possa abordar a visita a Gelsenkirchen sob um cenário de apuramento garantido. Se o Sporting vencer o Maribor - o que não é um dado adquirido, note-se - disputará o apuramento na última jornada e terá cumprido o essencial das expectativas relativamente a esta competição, onde foi vitima de dois episódios atípicos nos minutos finais de duas partidas e que acabaram por condicionar muito as suas aspirações relativamente ao apuramento.

Quanto ao jogo, foi mais um festival de golos entre estas duas equipas, mas devo também assinalar que nestes dois duelos entre Sporting e Schalke, o número de golos tem mais que ver com a elevada eficácia das equipas do que com uma quantidade desproporcionada de ocasiões desfrutadas. Em especial relativamente ao jogo de Gelsenkirschen, já que este teve um número superior de ocasiões para ambos os lados. De facto, e sem pôr aqui em causa o mérito que o Sporting teve na vitória que conseguiu, ficaram mais uma vez patentes as dificuldades de controlo defensivo da equipa. Há vários pontos que no meu entender justificam revisão no comportamento colectivo, mas destacaria o que se passou na etapa final do jogo, em particular após 2-1. O Sporting baixou declaradamente a sua linha média, protegendo-se mais no espaço entre sectores, mas nem por isso deixou de ser sucessivamente exposto pelas ofensivas alemãs, que de forma algo repetitiva foram encontrando espaços no último reduto do Sporting. A jogada que caracterizou este período foi a abertura larga, do meio para as costas dos laterais do Sporting, potenciando depois os espaços dentro da linha defensiva do Sporting - em particular entre lateral e central - com movimentos de jogadores alemães vindos de trás e quase sempre sem controlo por parte da linha média. Foi assim que o Schalke marcou o segundo golo, e foi assim também que potenciou outras situações de cruzamento algo perigosas. Sobre isto, duas notas. A primeira tem a ver com a preparação estratégica do Sporting, já que esta forma de atacar foi tão repetitiva que sugere ser recorrente no jogo do Schalke e, logo, possivelmente deveria ter havido uma resposta específica por parte do Sporting (sublinho que não conheço a equipa ao ponto de poder a afirmar que era, de facto, antecipável, mas ficou toda a ideia de que se tratou de um movimento recorrente, pela frequência com que foi tentado). A segunda tem a ver com a má relação intersectorial do bloco defensivo do Sporting, isto é com a capacidade da linha média reagir quando a bola entra no espaço da última linha, nomeadamente com movimentos de jogadores vindos de trás, e por isso criando superioridade nesse espaço.

A título individual, nota para dois casos. Primeiro, o de Jefferson que tal como já havia escrito me parece realmente uma solução superior a Jonathan. O argentino, e ao contrário do que vi ser sugerido, não me parece garantir maior segurança defensiva do que Jefferson, e não oferece de forma alguma o mesmo potencial de execução técnica do brasileiro. Nomeadamente, ao nível das bolas paradas, isso poderá fazer alguma diferença, não tendo o Sporting outro canhoto com a mesma qualidade de execução. A segunda nota vai para Slimani e para o último golo, que poupou boa parte da aceleração cardíaca que se antecipava para os últimos minutos. Normalmente, os treinadores têm tendência para substituir os avançados, quase que por defeito, em algum período da segunda parte. Marco Silva não o fez, e a meu ver muito bem, já que duvido que Montero tivesse a mesma capacidade para atacar o espaço com aquela profundidade. Montero terá mais qualidade técnica, não discuto, mas não se envolve no jogo com a mesma frequência do argelino, que ganha ainda mais vantagem neste confronto quando o jogo oferece espaços para atacar, como foi o caso dos minutos finais. Já o referi, e volto a sublinhar, Slimani parece-me um valor indiscutível e do qual o Sporting poderá vir a retirar muitos proveitos (desportivos, não me entendam mal), e vejo como uma óptima notícia que Marco Silva também pense da mesma maneira.

Ath Bilbao - Porto
Poderia usar um dos habituais "clichés" para este tipo de exibição, do tipo "equipa adulta" ou "exibição personalizada", mas vou tentar ser mais concreto na minha apreciação ao jogo e à performance da equipa de Lopetegui. Assim, sobretudo, esta foi uma exibição muito conseguida do ponto de vista defensivo, não apenas pelo número reduzido de ocasiões consentidas, mas sobretudo pela escassez com que o Bilbao foi autorizado a ameaçar a última linha portista, num registo semelhante ao que tipicamente se encontra num vulgar jogo no Dragão, para o campeonato (por exemplo, o Nacional foi neste aspecto bem mais ameaçador no Dragão do que o Athletic, em Bilbao). E isto sem que a equipa o tivesse feito através de uma grande presença com bola, o que por um lado é negativo porque obviamente seria melhor que o tivesse conseguido, mas que vem também realçar a qualidade do desempenho defensivo, já que é bem mais complicado neutralizar desta forma um adversário quando não se tem uma grande superioridade em termos de presença em posse. E, com isto faço também um elogio ao treinador, já que se tendo Brahimi ou Jackson se pode pensar sempre em fazer golos, cabe ao treinador garantir que a equipa tenha também a organização para poder capitalizar esse talento individual e não desperdiça-lo com sobressaltos e golos sofridos do outro lado do campo. Assim, e com esta capacidade defensiva, o Porto será sempre uma equipa muito complicada de ultrapassar, seja qual for o adversário.

Menos positiva parece-me ser a exibição do ponto de vista ofensivo, com o Porto também a não conseguir uma grande eloquência da sua posse, isto apesar de ter criado um número considerável de ocasiões, o que não resultou tanto da frequência com que ameaçou o último reduto do Bilbao, como seria desejável, mas mais por um bom aproveitament circunstancial de lances de bola parada e rasgos individuais. A este respeito, nota para a estratégia da equipa, claramente avessa a assumir grandes riscos na sua circulação baixa, e perante um adversário que previsivelmente seria muito agressivo na pressão mais alta. Lopetegui, possivelmente escaldado depois de tantos erros a tentar sair de forma apoiada, preferiu chamar os bascos e depois solicitar a qualidade de Jackson, actuando como "pivot", nas costas dos médios contrários. A equipa deu-se bem e não estou a questionar esta opção perante as dificuldades recentemente verificadas, mas se defensivamente a equipa deu um excelente sinal, parece continuar a haver algum trabalho a realizar no que diz respeito ao jogo interior.

Como notas individuais, realço dois casos. Primeiro, Casemiro. Têm sido frequentes os reparos à agressividade do jogador, mas eu pessoalmente não vejo nenhum problema nisso. Pelo contrário, porque se para quem ataca é muito importante conseguir enquadrar em linhas mais adiantadas, para quem defende é fundamental evitar que isso aconteça e para isso torna-se decisiva a capacidade de imposição dos defesas e médios defensivos nos duelos que travam. Desde que essa agressividade seja usada com critério, será sempre benéfica para as aspirações da equipa, mesmo que custe alguns amarelos ao jogador (se existem 3 substituições, será também para este tipo de situações e não, digo eu, para trocar extremo por extremo ou avançado por avançado!). Ou seja, Casemiro parece-me bastante bem defensivamente, e precisamente pela agressividade e capacidade de intervenção que tem revelado no espaço que se pede que controle. Menos positivo, por outro lado, é o seu contributo para a posse da equipa, parecendo-me um jogador muito inseguro ao nível do passe, e tendo muita dificuldade em jogar dentro do bloco contrário. Ora, isto não vem facilitar em nada a missão de Lopetegui, que provavelmente terá de equacionar cada vez mais a hipótese de baixar Casemiro para a primeira linha, na fase de construção, e trabalhar outras alternativas para a sua saída de bola. O outro caso que gostaria de abordar é do Quintero. O colombiano tinha conquistado a titularidade nos últimos jogos, e tinha a curiosidade de perceber se Lopetegui manteria essa opção para este jogo, o que previsivelmente não aconteceu. Ou seja, Lopetegui parece estar de acordo com a minha perspectiva de que Quintero oferece um potencial enorme ao jogo ofensivo da equipa, mas não terá ainda conseguido integrar essa mais valia ao ponto de lhe fazer confiança em todo e qualquer jogo. Esse continua a ser, na minha opinião, um dos maiores e mais valiosos desafios que o treinador tem pela frente.

ler tudo >>

4.11.14

Sporting e o (péssimo!) controlo defensivo na Liga

ver comentários...
O jogo de Guimarães
Como ponto prévio, quero dissociar esta análise da derrota em Guimarães. Ou seja, não nego a influência do jogo na motivação para abordar o Sporting, mas esta análise está relacionada com o que tem sido a totalidade da temporada, e não com esta partida em particular. Aliás, o jogo de Guimarães parece-me denunciar muito mais as fragilidades ofensivas do Sporting, que de forma algo surpreendente em face do que vinha fazendo acabou por ter enormes dificuldades em chegar de forma útil ao último terço do Vitória. Isto, claro, relativamente à primeira parte, período em que os três pontos ficaram em grande destinados. No segundo tempo, sim, o Sporting denotou problemas defensivos, que decorreram da exposição e risco que a equipa assumiu em face da desvantagem, mas também das dificuldades de controlo do momento de transição ataque-defesa, que também se viram noutros jogos e noutras circunstâncias. Tendo abordado o jogo, porém, não posso deixar de sublinhar também o mérito incontornável do Vitória pela forma praticamente perfeita como interpretou a estratégia que definiu.

12º(!!) registo defensivo da Liga, no que respeita a ocasiões de golo
Partindo dos factos para a discussão, temos que o Sporting é uma das equipas com mais presença territorial (apenas batido pelo Porto, em termos de posse de bola), com menos ataques e finalizações concedidas, mas de forma absolutamente contrastante com estes indicadores, também com um controlo defensivo (ocasiões de golo consentidas) absolutamente medíocre para os parâmetros da Liga. Estes são os dados que me parecem irrefutáveis e factuais sobre a performance defensiva do Sporting na Liga até ao momento, abrindo-se depois a discussão em torno da visão que cada um terá sobre os motivos que contribuem mais ou menos decisivamente para que este cenário tão atípico se componha. E aqui, creio eu, é que a minha análise divergirá daquilo que me parece ser a opinião generalizada, e que se foca muito mais nos pecados individuais dos defensores do Sporting. Tentarei explicar...

Os defesas e o passado recente do Sporting
Talvez a melhor forma de começar a explicar o meu ponto de vista passe por regressar ao passado recente do Sporting, no que respeita à composição da sua defesa, à apreciação mediática que foi sendo feita e ao desempenho nos vários ciclos. Isto, porque me parece que no futebol, e devido à carga emocional que este sempre tem, se aprende muito pouco com o passado. Ora, no ciclo anterior ao actual, e como é sabido, o Sporting apostou muito na experiência, pagando bem para ter jogadores com currículo formado nas suas fileiras. No entanto, contrariamente àquela que foi a expectativa criada, o Sporting acabou por não ter o melhor dos desempenhos desportivos com esta aposta, acabando por culminar na pior época desportiva da sua história, em 12/13. Se nos lembrarmos da primeira metade dessa temporada, encontraremos um quarteto defensivo geralmente formado por Cedric, Boulahrouz, Rojo e Insua. Ou seja, à excepção de Cedric que estava ainda em fase de afirmação, todos eram jogadores de créditos firmados e com presenças em selecções tão cotadas como a Holanda e a Argentina. Ora, isto não impediu que a sua prestação fosse pouco menos do que desastrosa para as exigências do clube, com problemas defensivos a surgirem recorrentemente e percorrendo praticamente todos os elementos do sector. Na época seguinte, Leonardo Jardim compôs um quarteto defensivo composto por 2 jogadores muito desacreditados em função das prestações da época anterior (Rojo e Cedric) e 2 novidades sem grande experiência nem currículo, e que por isso foram imediatamente olhados com muita desconfiança pela crítica (Maurício e Jefferson). Sem qualquer provimento de nexo para o paradigma comum, a verdade é que o sector defensivo do Sporting estabilizou e todos os seus elementos fizeram uma época de bom nível, contra as expectativas de quase todos. E é assim que chegamos a 14/15, com apenas 1 elemento a abandonar o sector defensivo, mas com a qualidade de todos os outros a ser novamente colocada em causa, apontando-se para o aspecto individual na hora de encontrar explicações para os problemas defensivos da equipa.

Individual vs Colectivo
Para que fique claro, eu não desprezo a importância das qualidades individuais dos jogadores (obviamente!), nem tão pouco creio que o Sporting tenha um conjunto de defensores de grande nível, ainda que discorde de muitas apreciações que tenho visto a esse nível e sobre vários jogadores. Aliás, a este respeito já me pronunciara de forma bastante clara sobre o caso de Sarr, aquando das suas primeiras exibições. O que não creio é que os problemas defensivos actuais resultem essencialmente de fragilidades individuais dos actuais defensores, nem que seja provável que o Sporting os venha a resolver com a simples substituição dos actuais titulares por outras soluções, mesmo que estas tenham eventualmente mais qualidade. Do meu ponto de vista, o processo defensivo é aquele que mais depende do trabalho colectivo e que mais pode ser, ou não, potenciado pela acção das equipas técnicas, sobretudo em termos posicionais. E se o Sporting tem problemas a esse nível, então terá de ser colectivamente que os terá de começar por resolver, até porque dificilmente terá capacidade financeira para o fazer no mercado. Aliás, e como escrevi acima, o seu passado recente mostra isto de forma muito clara...

Um perfil de risco elevado... talvez excessivamente!
Indo mais concretamente aos comportamentos da equipa actual, eu já tinha antecipado que o Sporting 14/15 seria uma equipa de mais risco relativamente à sua versão anterior, mas creio que os níveis que assume actualmente serão realmente excessivos. Em organização defensiva, tem-se falado constantemente da linha defensiva - e esta apresenta dificuldades, de facto - mas creio que o problema começa a montante. Particularmente, o adiantamento permanente dos médios na acção pressionante, com William e Adrien de perfil, acaba por ter o duplo-efeito de dificultar a saída curta dos adversários, por um lado, mas por outro também de expor muito a linha defensiva, quando essa pressão mais alta não surge efeito. Uma solução mais equilibrada passaria por criar mais linhas na estrutura defensiva, garantindo (por exemplo...) a presença de um elemento mais próximo dos centrais, capaz de realizar coberturas aos médios mais pressionantes, e de ajudar a equilibrar a linha defensiva, sempre que um dos seus elementos é obrigado a sair da sua zona. Outra questão a rectificar tem a ver com a transição defensiva, nomeadamente com o jogo posicional da equipa com bola, precavendo e antecipando melhor o momento da perda. Este foi um ponto muito bem explorado pelo Vitória na segunda parte do jogo de Guimarães, mas já noutras alturas a equipa sentiu algumas dificuldades no controlo do momento de transição. A este nível, William tem assumido um papel mais posicional mas sem que isso venha sendo suficiente para garantir uma reacção defensiva ideal por parte da equipa.

Em todo o caso, há algumas projecções que me parecem poder ser feitas, pelo menos à luz da minha forma de ver as coisas. Que o controlo defensivo do Sporting tem sido péssimo e muito difícil de manter em níveis tão baixos, dada a presença territorial que a equipa consegue impor (e isto, mesmo que nada de essencial mude). Que sem rever esta situação, o Sporting será sempre uma equipa algo bipolar, capaz de extrair o melhor da sua capacidade ofensiva (porque a tem), mas também permanentemente vulnerável a surpresas defensivas indesejadas, e por isso com pouca probabilidade de atingir grande sucesso. Finalmente, que se o Sporting não resolver - ou pelo menos atenuar - os seus problemas actuais pela via colectiva, muito dificilmente o fará pela mera substituição das suas unidades defensivas, mesmo que por outras mais capacitadas.

ler tudo >>

28.10.14

Benfica e a derrota em Braga

ver comentários...
Benfica, o significado da derrota - À margem dos pontos estratégicos que identifico acima, e que na minha leitura foram determinantes para a forma como o jogo decorreu, esta derrota parece-me ter duas implicações claras para o Benfica. A primeira é quase matemática e tem a ver com a perda de 3 pontos, comprometendo uma vantagem pontual na Liga que poderia ser importante, mas que está agora praticamente anulada. Neste sentido, a derrota representa objectivamente uma redução importante nas possibilidades do Benfica atingir o seu principal objectivo da temporada - o bicampeonato -, sendo que apesar de tudo essa meta continua obviamente em aberto. A segunda implicação tem a ver com a confirmação das dificuldades que a equipa vinha revelando em jogos de maior grau de dificuldade, particularmente denunciadas nas exibições para a Liga dos Campeões. Aqui, poder-se-á assumir duas perspectivas comparativas. A primeira, estabelecendo como ponto de referência a segunda metade da época anterior, onde a capacidade da equipa era francamente superior e mais consistente do que a actual. A segunda, apontará alternativamente para o período homólogo de 13/14, sendo este um paralelismo bem mais optimista, já que há um ano o Benfica estava também ainda a arrancar para a sua melhor fase. E é aqui que surge a maior dose de subjectividade nas projecções que cada um fará. A tendência é pensar que o Benfica evoluirá significativamente, tal como aconteceu quase sempre com Jesus, mas se em geral eu tenderei para concordar com essa previsão, ela não me parece de todo um dado adquirido. A questão mais interessante, a meu ver, passa por perceber se existe hoje o mesmo potencial de evolução de há 1 ano, sendo que não se deve desprezar também o risco de aparecerem novos problemas pelo caminho (sendo concreto, lesões em jogadores nucleares e muito complicados de substituir). Seja como for, aqui ficam algumas posições que, na minha análise carecem de revisão na equipa do Benfica:

Guarda-redes: No ano passado, todos observamos a correlação entre a entrada de Oblak e a melhoria da equipa. Eu serei a última pessoa a precipitar-me para concluir sobre o caracter causal dessa correlação, mas ainda assim parece-me clara a importância de ter uma solução de qualidade nesta posição específica, num problema que foi muito mediatizado no defeso, que no papel o Benfica terá resolvido com a entrada de Julio César, mas que na prática continua por não contar com uma alternativa continuada para a sua baliza. Resta saber se esta questão não terá, também ela, custos desportivos...

Segundo central: Já tivemos Jardel - muito criticado! - e agora Lisandro Lopez. A verdade é que nenhum deles esteve ao nível de Garay, e o problema para o Benfica talvez não passe tanto pela falta de competência dos substitutos mas mais pela mais valia que representava o substituído. De facto, e do meu ponto de vista, o argentino saiu da Luz como um dos melhores centrais do futebol mundial, e mesmo que Jesus faça evoluir as alternativas que tem ao seu dispor, vejo com pouca probabilidade que algum deles tenha o potencial para chegar ao patamar de Garay (que, diga-se saiu da Luz muito melhor central do que quando chegou). As consequências são várias, mas destacaria sobretudo o impacto na fase de construção, onde Garay era a principal referência de saída de bola da equipa, fazendo-o com qualidade e critério, o que é extremamente raro. Este será o ponto onde me parece menos provável que o Benfica se venha a aproximar do que foi na época anterior...

Posição 6: Não tenho ainda suporte factual (nomeadamente ao nível da análise estatística) que possa confirmar a minha percepção, mas para já fica-me a ideia de que Samaris apresenta pouca intensidade e capacidade de intervenção, o que pode estar a contribuir para as dificuldades que o Benfica tem sentido para dominar a sua zona, nomeadamente ao nível dos duelos directos. No passado, esta tem sido uma posição muito fácil de substituir por Jesus, que tem conseguido extrair bom rendimento de quase todas as alternativas que estiveram ao seu dispor. Neste sentido, poder-se-á esperar que o treinador possa também fazer evoluir o grego dentro desta posição, no entanto há um outro dado que pode indiciar que esse possa não ser um processo tão fácil como parecerá à primeira vista. É que praticamente todas as soluções introduzidas para a posição tiveram uma afirmação praticamente imediata (o caso mais recente, e talvez também o mais claro será o de Fejsa), o que faz de Samaris um caso algo singular desse ponto de vista. Se esta segunda perspectiva se confirmar, poderá não ser tão evidente para Jesus fazer evoluir Samaris até aos níveis dos seus antecessores, o que tornará o regresso de Fejsa e Amorim uma urgência para o treinador e para a equipa. Uma nota para a opção de utilizar Enzo e Talisca no meio campo, sendo essa uma solução que pessoalmente não me agrada. Porque ao baixar Enzo se está a retirar uma unidade chave da sua melhor posição, e porque o próprio Talisca não parece apresentar capacidade de envolvimento com bola e intensidade defensiva para poder dar o melhor rendimento à posição 8 (como, aliás, na minha análise ficou claro na recta final do jogo de Braga).

Segundo avançado: Talisca tem marcado muitos golos, apresentando um aproveitamento invulgar das ocasiões de que usufruiu, e isso tem retirado quase toda a margem para que Jesus o possa abdicar da sua presença entre primeiras opções. O treinador, de resto, parece acreditar bastante no jogador, mas pessoalmente creio ser prematuro que se lhe atribua um peso muito grande na equipa. Primeiro, porque a sua veia goleadora resulta, e como escrevi acima, essencialmente de um elevado aproveitamento das ocasiões de que desfrutou (e não de um elevado número de ocasiões), o que faz acreditar que dificilmente se possa perpetuar no tempo. Depois, porque apesar de ser um excelente executante e ter conseguido aparecer relativamente bem nos momentos de transição e transporte de bola, Talisca está ainda longe de ter a qualidade de movimentos que Rodrigo ou Saviola tiveram em anos recentes, e que tanto acrescentavam ao jogo interior do Benfica. Um bom exemplo disso será a dificuldade que o jovem brasileiro teve em aparecer nos momentos de organização do jogo de Braga. A meu ver, será muito provável que Jonas seja a mais forte das soluções para a frente de ataque, pela qualidade de envolvimento que revela, e pela capacidade de surgir depois a desequilibrar em zonas de finalização (a tal ambivalência que caracterizava quer Saviola, quer Rodrigo). E, se assim for, o melhor mesmo será não ter de esperar que as coisas corram mal para, então sim, lançar Jonas em definitivo no onze. Quanto a Talisca, o seu talento pode existir de facto, mas por muito que os golos que marcou o pareçam desmentir, sou da opinião de que lhe faltará ainda um patamar de evolução até que seja uma mais valia incontornável no modelo actual do Benfica.

ler tudo >>

23.10.14

Notas da Champions #3

ver comentários...
Schalke - Sporting
Um jogo muito atípico, por vários factores. Desde logo, as muito polémicas decisões da arbitragem, que não só condicionaram o curso do jogo, como o próprio resultado. Depois, a eficácia absolutamente invulgar das duas equipas, o que sugere algumas conclusões equivocadas, se nos deixarmos levar apenas pelo resultado. Com o 4-3, e da perspectiva do Sporting, tender-se-á a enfatizar os problemas defensivos e os méritos ofensivos da equipa. Na verdade, porém, nem o Sporting concedeu ao Schalke grandes ocasiões, nem o seu ataque se revelou especialmente capaz, durante o jogo. O resultado é, também a este propósito, muito enganador, porque o Schalke fez 4 golos tendo criado muito pouco para tal, e o mesmo se poderá dizer da prestação ofensiva do Sporting, que em termos de proximidade real com o golo se resumiu ao que está espelhado no marcador final. Aqui, parece-me mais normal que o Sporting tenha tido dificuldades em criar ofensivamente, num jogo em que esteve tanto tempo em inferioridade numérica, mas esperavam-se mais dificuldades defensivas, o que manifestamente não aconteceu, por muito que o resultado sugira o oposto. Sobre este último ponto, duas notas: a primeira sobre o Schalke, que me parece muito diferente da mentalidade que tinha, com a chegada de Di Matteo, tendo feito um jogo muito fraco para as suas potencialidades. Depois, sobre o próprio Sporting, que teve muito menos problemas do que é hábito, muito devido ao facto da equipa, em inferioridade numérica, se ter aventurado muito menos em termos de presença pressionante, o que implicou uma maior compacidade do bloco e, consequentemente, uma melhor protecção da linha defensiva. Para o Sporting, e por muito injustiçada que a equipa se sinta, as aspirações de apuramento estão irremediavelmente complicadas, mas a equipa tem ainda hipóteses de o discutir na última jornada, caso vença os dois jogos caseiros que se seguem.

Porto - Bilbao
O Porto conseguiu uma vitória importante e que face aos outros resultados do grupo torna o apuramento praticamente certo. Essa é a melhor notícia que resulta deste jogo, porque há vários aspectos que revelam também um acréscimo de insegurança da equipa, o que se poderá vir a revelar um problema no curto prazo, caso não seja corrigido. Aqui, destacaria dois aspectos. O primeiro tem a ver com a circulação baixa, que aparenta ter ficado afectada pelos maus resultados recentes. Em particular, isto viu-se na segunda parte, quando o Bilbao se adiantou para pressionar em toda a extensão do terreno, e o Porto respondeu não só com pouca capacidade para contornar esse obstáculo, como ainda sem a tranquilidade suficiente para evitar um número preocupante de perdas de bola. O segundo aspecto tem a ver com o processo defensivo, onde o Porto parece-me hoje uma equipa menos compacta do que no inicio de época, nomeadamente com os seus alas a parecerem pouco preocupados com a questão posicional, o que fragiliza depois o conforto da linha defensiva em subir e encurtar o espaço entre sectores (que só pode ser eficazmente encurtado se o bloco estiver compacto, como um todo). À margem de tudo isto, a grande novidade parece ser a aposta em Quintero, que pelo segundo jogo consecutivo assumiu o estatuto de titular, continuando a oferecer uma grande capacidade de desequilíbrio e disfarçando individualmente a pouca vocação colectiva para explorar o jogo interior. Pelo que já escrevi sobre Quintero no passado, compreender-se-á a minha total concordância com esta aposta no jogador.

Mónaco - Benfica
Da visita ao principado não resultou o encurtamento de distâncias pretendido pelas aspirações encarnadas, mas isso não deve servir para que se confundam as coisas. O empate e a exibição não podem, a meu ver, ser consideradas como negativas tendo em conta a dificuldade do desafio. O problema deriva, isso sim, do que não fez nos primeiros dois jogos, onde foi batido de forma clara e sem grande capacidade de resposta. E a este propósito, a prestação europeia do Benfica tem servido para revelar boa parte dos problemas da equipa, e que internamente só mais dificilmente são denunciados pela modéstia da generalidade dos opositores, sendo a conclusão que, claramente, o Benfica está ainda longe do valor que a distinguiu na época passada. A equipa tem unidades ofensivas que lhe acrescentam um enorme potencial, com Gaitan e Salvio à cabeça, mas noutros aspectos do seu jogo revela ainda dificuldades que a impedem de ter aspirações para se superiorizar claramente num grupo tão competitivo como este. A esperança dos benfiquistas residirá na capacidade de Jesus voltar a fazer evoluir a sua equipa com o decurso da temporada, e mesmo sendo expectável que isso aconteça, também se pode dar o caso de ser tarde de mais para as aspirações europeias da equipa. É neste cenário que a vantagem pontual já conquistada no campeonato se afigura cada vez mais como uma preciosidade para as aspirações da temporada. No fim de semana, terá um sério teste à sua capacidade de a conservar, e veremos que resposta a equipa é capaz de dar em Braga...

ler tudo >>

AddThis